Dhlakama diz que “a guerra está no fim” em Moçambique

Dhlakama diz que “a guerra está no fim” em Moçambique

0
COMPARTILHE

Afonso Dhlakama, líder da Renamo, o maior partido da oposição em Moçambique, disse hoje que a “guerra está no fim” em Moçambique, a duas semanas do fim da atual trégua, que se poderá tornar permanente.

“Tenho mantido contactos com o meu irmão Filipe Nyusi”, Presidente de Moçambique, “para ver se encontramos uma saída para a paz efetiva porque não queremos ver mais sangue” derramado, disse Dhlakama numa teleconferência com jornalistas, citado pela Agência de Informação de Moçambique (AIM).

“A guerra está no fim. Voltaremos a abraçar nossas famílias, circular pelas estradas, visitar nossos familiares e trabalhar para produzir. Isso é que nós desejamos”, acrescentou Afonso Dhlakama.

O líder da Renamo participou numa teleconferência com jornalistas residentes na cidade de Chimoio, capital da província central de Manica,

Na mesma sala assistiram também à conversa membros da Renamo.

Moçambique vive uma trégua decretada a 03 de março por Afonso Dhlakama, em vigor até 04 de maio – daqui a duas semanas.

É a terceira trégua anunciada desde dezembro, depois de uma primeira, que durou uma semana, logo prorrogada por uma segunda e pela atual de 60 dias.

A paz em Moçambique tem estado sob permanente ameaça nos últimos anos, devido a clivagens entre a Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo), partido no poder, e a Renamo.

Entre 2013 e finais de 2016, o país foi assolado por ações de violência opondo as Forças de Defesa e Segurança (FDS) e o braço armado da Renamo, no âmbito da contestação do processo eleitoral de 2014 pelo principal partido da oposição.

Questionado hoje sobre a sua participação e da Renamo nas eleições autárquicas de 2018 e nas eleições gerais de 2019, Dhlakama respondeu que a pretensão é concorrer com os olhos postos na vitória.

“Vamos concorrer e prometemos ganhar porque o povo está connosco. Queremos governar democraticamente este país. Esse é o nosso principal objetivo”, referiu.

“Não guardamos mágoas”, nem “com a Frelimo: não guardamos nenhuma vingança porque este é momento de reconciliação”, disse.

Dhlakama disse ainda que só vai participar em atividades políticas se receber garantias de segurança para si e para os membros do seu partido.

“Caso contrário continuarei aqui nas matas de Gorongosa para onde me refugiei e me encontro bem de saúde”, concluiu.

Fonte: Lusa

DEIXE UMA RESPOSTA